10 de ago de 2008

Meu Pai...


Dia dos pais...

Aos presentes, a festa sempre emociona, e o carinho é retribuído...
Aos ausentes, a saudade da perda, mas a lembrança de tudo aprendido!
E o que fica, dentro de nós...
É a certeza do trabalho feito, do amor correspondido,
do aprendizado encaminhado, dos segredos guardados;
da segurança obtida, das descobertas compartilhadas,
dos primeiros passos emocionados e das palavras balbuciadas!

Com o passar dos anos, a inversão dos valores,
e a nossa rebeldia, que tudo contornam!
Algum tempo depois, e nossa certeza não é mais a mesma;
nos questionamos, o quanto estariam certos e assim
repensamos em nossas atitudes!

Os netos chegam, e aí a história se inverte totalmente...
Descobrimos o quanto estavam certos, e que apenas
queriam que não sofressemos, mas a vida tem seu caminho!

Para alguns, é a hora da partida,
pois seu trem chegou na estação...
E nos resta apenas a saudade dóida, amarga e triste,
do que esquecemos de fazer ou dizer, enquanto havia tempo!
Mas eles sempre entenderam o que queríamos...

Pois seu amor é imenso, e maior do que qualquer sensação
que se possa descrever; pois trazem dentro de sua alma,
a essência pura do que é ser PAI;
com o amor, que só ele pode nos dar!

Pai, sei que está ao meu lado, e nunca me abandonou!
Até um dia!
Para que então eu possa dizer as palavras,
que não tive tempo ou não pude dizer.
E lhe dar um abraço especial,
como aquele que gostaria de lhe dar, não só hoje,
mas todos os dias desta caminhada!
Sua filha...

Nenhum comentário:

Postar um comentário