5 de jul de 2007

Prisioneira

Estou me sentindo uma prisioneira!
Será que você sabe,
onde deixei a chave
da minha liberdade?
Se a encontrar (por favor) pode enviar,
por carta, sedex, sinal de fumaça
ou, pelo menos, avise que a viu perdida por aí!
As algemas de aço que carrego,
não são as físicas que machucam os punhos!
Mas sim, as feitas de algo muito mais forte,
indestrutível, que aprisiona a alma!
Guerreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário